Uma semente para o Terrorismo

Share

rapazacorrentadoarvorefacebookrepEssa semana, diversos cidadãos resolveram realizar o que chamam de “Justiça” através de punições e humilhações públicas de criminosos. Até execução aconteceu.
Após conseguirem a atenção e a aprovação da apresentadora (recuso-me a chamá-la de Jornalista) Rachel Sheharazade, o tópico chamou a atenção popular e inundou as redes sociais, criando uma polarização assustadora entre os usuários.

Para alguns, a expectativa é que esses feitos tornem-se modelos de inspiração para outros “cidadãos de bem”, e que muitos mais comecem a buscar essa mesma peculiar forma de justiça popular. Rezam por uma varredura da criminalidade através desses “exemplos”.

Já outros como eu, enxergam aí os primeiros passos para uma campanha de medo e horror iniciando-se entre a população. Se você é um desses, acredito que esse tópico não seja pra você, mas sinta-se à vontade para utilizá-lo parcialmente ou integralmente, apresentando-o para aqueles que enxergam essas manifestações de barbárie e violência como de alguma maneira, justificável.

Para os “Justiceiros” e “Cidadãos de Bem”, não adianta apresentar motivos científicos e sócioeconômicos que levam uma pessoa a se comportar daquele jeito, não adianta mostrar motivos comparativos demonstrando que essa forma de justiça é restrita só à uma determinada classe de pessoas, e nem adianta demonstrar motivos comparativos demonstrando que as instituições privadas que apoiamos causam muito mais estrago do que alguém que tentou furtar um celular.

Nada disso adianta porque aqueles que pedem por sangue perderam a capacidade de ver um ser humano ali. A campanha de desumanização foi forte e funcionou. Cansei de ouvir que “aquilo não é gente”. Chega até a ser engraçado, pois por exemplo Paulo Maluf destruiu milhares de vidas indiretamente com sua gestão, mas pelo menos ele ainda é gente. O mesmo vale pro Thor Batista, George Bush, e surpreendentemente até pro Bin Laden, esses ainda eram humanos. Nunca vi aquela frase ser usada com eles.

Nada disso importa, pois conforme o pensamento dos Justos, direitos humanos são para humanos direitos, e ali não há uma pessoa que escolheu o caminho do mal. Não adianta de maneira alguma tentar detalhar e ilustrar com argumentos de qualquer profundidade. Por mais equipado que você estiver pra um debate, a condição sine qua non é que consigam enxergar uma pessoa ali, e os “Justiceiros” são completamente incapazes disso.

Porém, ainda existe um argumento estratégico para ser discutido, com o máximo de racionalidade possível.

Mesmo fazendo compras de importados e financiando descaradamente o meio de vida Norte-Americano, muitos de nossos Justiceiros adoram ver os gringos se ferrar, e mantém na ponta da língua os argumentos pra legitimar o porque eles são tão odiados ao redor do mundo.
Os nossos bem informados “Cidadãos de Bem” sabem muito bem que os EUA criou seus próprios inimigos. Quando você invade um país, se apropria dos recursos naturais, e massacra sistematicamente a população, é ÓBVIO que vai dar origem ao terrorismo. “Os gringos pediram por isso” é a frase típica.

Agora, voltemos ao nosso caso. À partir do momento que os pobres, marginalizados, inferiorizados, se identificarem com o cidadão humilhado em praça pública e feito de exemplo, o que vocês imaginam que vá acontecer? Acham que vão ficar intimidados, ou que vai dar início a uma escalada de violência? Os EUA tem o maior exército do mundo e é a nação mais rica do mundo, e os terroristas ficaram intimidados?
Só que no nosso caso, além de não ter um mar separando, os pobres e marginalizados são maioria, estão melhor preparados, e melhor posicionados.
Exatamente como os Iraquianos, a população pobre brasileira foi explorada ao limite, colocada em condições sub-humanas com uma vida cheia de restrições.
Como diria o pensador Eduardo Marinho, “olhe pro horizonte, e me diga alguma coisa que não foi construída pela mão do pobre.”
Eles construíram os shoppings, e agora seus filhos não podem nem entrar neles.

São transportados como gado num sistema de transporte precário, tem a saúde e a educação negada desde o nascimento, perdem um tempo obsceno em função da ineficiência do sistema, e ainda depois tem que ouvir de “playboyzinho” que ele só é pobre porque quer. Dizendo que eles conhecem UM cara que nasceu na favela, estudou, se formou e hoje está bem de vida, enquanto descartam a existência de outros MILHÕES de caras que fizeram a mesma coisa, e não conseguiram o mesmo resultado. Não é de subir o sangue?

Agora, imaginem nessa panela de pressão, o dia que assim como os “Justiceiros” desses últimos dias, esse mar de pobres subir as ruas pra fazer a justiça deles, do que ELES consideram justo?
Não tem outro jeito de dizer. Vocês estão fudidos. Estão plantando sementes pra começar uma guerra que VÃO perder.

Se a situação do Brasil estava ruim como dizem, sabemos que esse não é o caminho pra melhorá-la. Já vimos filmes o suficiente pra saber que controle pelo medo não funciona quando a situação é desesperadora. A humanidade já viveu em uma era a qual a “justiça popular” existia, com exemplos pendurados em praça pública, e todos aqueles cenários era PIORES do que hoje. Não faz sentido achar que se fizermos a mesma coisa dessa vez, o resultado vai ser outro.

As tensões sociais vão aumentar com certeza, e se você está aplaudindo e elogiando essas últimas ações, está pedindo pra que elas se repitam.
Pode ser que seja apenas pra sentir um certo alívio psicológico momentâneo, mas tudo indica não é porque pensou nas consequências de um futuro próximo, que seria bem negro. É uma solução muito burra pra merecer qualquer tipo de aplauso.

Então, “Cidadãos de Bem” racionais, estrategistas natos que tomam todas suas decisões conscientemente.

Quais os resultados que esperam colher à médio e longo prazo com essa abordagem?

Esperam que com a disseminação progressiva desse comportamento, de alguma maneira se erga daí uma sociedade mais justa?
Ou acham que terminaria com outro erro histórico similar à morte de 6 milhões de pessoas? Porque é assim que começa…

2 comentários sobre “Uma semente para o Terrorismo

  1. Desde que sejam 6 milhões de bandidos (incluindo politicos) não me importo.
    Acho que você vive em outro país. Não é capaz de perceber que até mesmo a população pobre é vítima desses bandidos.
    “Direitos humanos” foram inventados para protejer bandido.
    E acho que quem os defende deveria pagar da mesma forma pois é cumplice de tudo que esses criminosos fazem.
    Espere até matarem sua mãe, ou sua filha, ou se filho, só assim mudará a forma de pensar.
    Agora desça da montanha e volte a realidade brasileira.

    1. Olá! De acordo com seu argumento, é possível concluir com bastante convicção que o texto não foi lido até o fim.
      Se tiver a intenção de fazer um comentário coerente com o que foi debatido, terá de ser em relação aos efeitos a médio e longo prazo, assim como opções de estratégia de resolução do problema. De outra maneira, acabará dando a nítida impressão que está apenas repetindo frases cliché feitas retiradas da grande imprensa sem verificar se estão coerentes ou não com o conteúdo do texto, e envergonhando a sí mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *